quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Filme Cartas de Iwo Jima- o lado japonês da batalha de Iwo Jima

Filme Cartas de Iwo Jima- o lado japonês da batalha de Iwo Jima




Este filme ocorre inteiramente dentro das fileiras japonês, com atores japoneses falando diálogo legendado. Ele é muito diferente do filme a conquista da honra, apesar de algumas cenas de batalha espetaculares. É mais suaves, mais contido e mesmo anti-clímax.
A conquista da honra (o primeiro filme) variou livremente a partir do campo de batalha para a cena política manipuladora. Cartas de Iwo Jima, no entanto, foca principalmente e severamente a ação na própria ilha iwo jima. O filme é baseado em relatos que foram escritos em um maço de cartas não enviadas das tropas que foram desenterrados lá por pesquisadores no século 21, muitos anos mais tarde.
Eastwood, talvez em um espírito de galanteria, ou simples cautela, evidentemente, não se importa de ironizar ou pôr em questão as crenças civis do Japão assim como ele fez com o seu próprio lado. O filme retrata as melhores qualidades do homem lutador japonês: duro, viril, cortês, bem-humorado. Tudo isso é personificada no comandante japonês, o tenente-general Kuribayashi, interpretado por Ken Watanabe.




Existe uma sequência horrível em que um grupo de soldados japoneses presos em seu esconderijo subterrâneo comete suicídio ritual, um por um, encaixando uma granada aberta contra seus capacetes, e pressionando-a contra o peito com um grito de "Banzai!". O espetáculo de soldados que cometem suicídio na derrota é muito diferente do que, digamos, de Oliver Hirschbiegel Downfall, sobre o bunker de Hitler. Estes, você vê. Assim como Noël Coward disse para não sermos hostis para com os alemães, Eastwood está sugerindo algo semelhante com os japoneses.



No final, eu senti que a tentativa de Eastwood para encontrar algo bom dentro da mente das tropas japonesas foi magnânimo e generoso, mas com falta de verdadeira paixão e talento. Há uma espécie de reticência Eastwoodiana, e uma necessidade de alcançar o inimigo vencido em termos muito americanos. Baron Nishi, um dos soldados de Kuribayashi lê uma carta de um soldado americano morto que foi escrita pela mãe do ameriano e Shimizu, um soldado japonês, percebe que a mãe daquele soldado americano não é diferente de sua mãe. É um momento poderoso no filme.
Cartas de Iwo Jima sublinha a universalidade do soldado e a desumanidade da guerra.



Várias cenas tocantes e cuidadosamente construídas apontam as atitudes idênticas de soldados japoneses e norte-americanos em direção à guerra e morte. Eastwood, nas últimas duas décadas tem se destacado na criação de momentos sombrios na tela. Ele não se incomoda mostrando os detalhes da guerra. Em meio a todo o caos, há homens que têm medo de morrer, que só querem ir para casa, para suas esposas, famílias e empregos.
Ator versátil, Ken Watanabe (Batman Begins, O Último Samurai) interpreta Kuribayashi, um estrategista de guerra.






Fronteiras, países e política são os grandes separadores, os grandes assassinos. O papel de Kazunari Ninomiya como Saigo prova isso; ele é apenas um homem simples, com medo de guerra, com uma esposa e filho recém-nascido em casa, ele não quer nada mais do que voltar para eles. Filmes de guerra norte-americanos muitas vezes mostram o soldado solitário puxando uma foto irregular de sua namorada. "Esta é a minha menina", ele poderia dizer. Cenas não muito diferentes como esta aparecem em Cartas de Iwo Jima e confirmam a semelhança entre a nossa cultura e a deles.




Há também horrores mostrados, mas Eastwood tem cuidado para não tomar partido quando retrata imoralidades de guerra. Há uma cena onde os soldados japoneses abatem um jovem soldado americano vulnerável; esta cena é igualada à outra crueldade americana que ocorre depois de alguns minutos. Espectadores do filme podem criticar os japoneses, citando Pearl Harbor como seu principal argumento. Ainda assim, americanos mataram milhares de pessoas em Hiroshima e Nagasaki; os terríveis efeitos da bomba atômica ainda são sentidos até hoje por gerações de cidadãos japoneses inocentes que convivem com os efeitos colaterais de envenenamento por radiação. Nenhum dos lados pode reivindicar inocência.
Eastwood não aponta o dedo para um lado ou para o outro; ele não tenta colocar qualquer culpa alguma. Em vez disso, ele mostra ao público as escassas diferenças culturais de lado.
A conquista da honra, que estava em cartaz nos cinemas em 2006, não conseguiu descrever o drama humano comum da guerra da mesma forma como o filme As cartaz de Iwo Jima fez. A conquista da honra tratou principalmente sobre os americanos. O inimigo foi o japonês e a conquista da honra não sugere o contrário. Em “as cartas de Iwo Jima”, do ponto de vista japonês, a mensagem fala com qualquer pessoa, independentemente da cultura.
Este é um simpático filme de guerra retrata conflitos em um sentido poético. Momentos de imensa calma durante a batalha. Eastwood, mais uma vez dirige um filme considerado emocionalmente envolvente.

 TITULO ORIGINAL: Letters from Iwo Jima

#Compartilhar
Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates