sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Os primeiros livros sobre vampiros da história da literatura

Os primeiros livros sobre vampiros da história da literatura

VAMPIRA
Vampiros na literatura

O vampiro é naturalmente versátil: como uma figura literária, tem tomado diversas formas, adaptando-se para as novas gerações. Os leitores modernos podem agora encontrar vampiros em todos os gêneros imagináveis. Separei uma lista com os primeiros livros sobre vampiros do século XIX. Veja:
Samuel Taylor Coleridge (Christabel, 1797/1800)




O poema Christabel diz respeito a uma personagem feminina central do mesmo nome e seu encontro com um estranho chamado Geraldine, que afirma ter sido sequestrada de sua casa por um grupo de homens rudes.


Christabel vai para um bosque para orar, então ela ouve um barulho estranho. Ao olhar atrás da árvore, ela encontra Geraldine, que diz que ela tinha sido raptada de sua casa por homens a cavalo. Christabel se compadece—la e leva—la para casa com ela; sinais sobrenaturais (um cachorro latindo, uma chama misteriosa em um incêndio mortos) parecem indicar que nem tudo está bem. Eles passam a noite juntos, mas enquanto Geraldine despe, ela mostra uma marca terrível, mas indefinida. Seu pai, Sir Leonino, fica encantado com Geraldine, encomendar uma grande procissão para anunciar seu resgate. O poema inacabado termina aqui.
Christabel era uma influência sobre Edgar Allan Poe, particularmente seu poema "The Sleeper" (1831). Tem sido argumentado que o romance de Joseph Sheridan Le Fanu intitulado Carmilla é uma homenagem ou adaptação de Christabel. A antagonista Carmilla tem certas semelhanças com Geraldine do Christabel; por exemplo, ela não pode cruzar o limiar de uma casa, e parece ser mais forte à noite. Da mesma forma, as heroínas dos dois trabalhos são semelhantes, tanto Christabel e Laura são os filhos de mães falecidas atualmente no cargo de seus pais viúvos. A presença de Geraldine dá Christabel sintomas semelhantes como Carmilla faz para Laura; ambas as heroínas experimentam sono agitado e fraqueza na parte da manhã, depois de passar a noite com seus hóspedes.


Lord Byron (The Giaour, 1813)




O Giaour é um poema de Lord Byron publicado pela primeira vez em 1813 por T. Davison. É o primeiro na série de seus romances orientais. O Giaour provou ser um grande sucesso quando publicado, consolidando a reputação de Byron.
O Giaour também é notável por sua inclusão do tema dos vampiros. Depois de contar como o giaour matou Hassan, o narrador Otomano prevê que em punição por seu crime, o giaour será condenado a se tornar um vampiro depois de sua morte e matar os seus próprios entes queridos, bebendo seu sangue.

A associação de Byron com vampiros continuou em 1819 com a publicação de The Vampyre por John William Polidori, que foi inspirado por uma história inacabada de Byron, "Fragmento de um romance", também conhecido como "O enterro: Um Fragmento", publicado pela primeira vez em Mazeppa em 1819. O personagem principal, Lord Ruthven, foi baseado em Byron. Polidori tinha trabalhado anteriormente como o médico de Byron e os dois se separaram em condições ruins. Para grande irritação de Byron, The Vampyre foi amplamente atribuída a ele e até mesmo incluídos no terceiro volume da obra de Byron pela demanda popular. Lord Ruthven foi o primeiro retrato do vampiro como um aristocrata devasso.



John Polidori (The Vampyre, 1819)





É geralmente considerado o progenitor da literatura com vampiros.

O conto foi escrito em Genebra, por ocasião de uma competição de contos de terror sugerida por Lord Byron. O livro de Polidori teve uma enorme influência em Bram Stoker.

E.T.A. Hoffmann (Aurelia, 1820)





Vampirismo (vampirismo), também traduzido como Aurelia. Este romance é uma história de horror publicado em 1821 pelo escritor E. T. A. Hoffmann. É também a primeira história em prosa de um vampiro do sexo feminino. Inicialmente, ele pertencia à coleção de histórias em que um grupo de aristocratas se reúne para contar histórias fantásticas.
A história tem muitos elementos folclóricos, na verdade começa com uma breve palestra sobre vampirismo. Este rromance também parece ser influenciado pela história de Abdul Hassan um conto das Mil e Uma Noites.
Um grupo de amigos começa a falar sobre vampiros, citando vários casos e histórias. Um deles, chamado Cipriano, começa uma história que afirma ter recebido de uma fonte considerada factual.
No romance, o conde Hippolito, que acaba de herdar sua posição, no seu domínio recebe a chegada de uma baronesa empobrecida, em que pesa uma reputação terrível e misteriosa, e contra a qual já tinha avisado seu pai e tio.
O conde e Aurelia não tardam em começar um relacionamento romântico, aprovado pela mãe da menina, e logo começam a fazer os preparativos para o casamento. No entanto, a baronesa morreu de repente e é encontrada morta no cemitério. Os noivos decidem se casar sem mais delongas, especialmente dada à ansiedade de Aurelia.
Uma vez casados, Aurelia confessa ao marido a razão para a reputação sinistra da baronesa. O pai de Aurelia morreu quando ela era uma menina e sua mãe logo começou um novo relacionamento com Urian um personagem brutal que, de repente sentiu-se atraído por Aurelia e ainda tentou abusar dela com o consentimento do sua mãe. No entanto, Aurelia rejeita os avanços de Urian, desencadeando a fúria da baronesa, que a culpou por estarem na miséria.
Finalmente a brutalidade de Urian fez com que ele fosse preso e executado, sendo identificado como responsável por inúmeros crimes. A baronesa deixa sua casa com Aurelia, chegando finalmente ao domínio do Conde Hippolit.
 Hippolit congratula—se com a morte da baronesa. No entanto, logo depois do casamento a jovem esposa do Conde adoece de um mau desconhecido e médicos parecem incapazes de curar o seu mau. Pouco depois de se recuperar, Aurélia começa a rejeitar qualquer alimento, mas ela mantem a sua vitalidade.
O Conde Hippolit ouviu rumores de que sua esposa sai à noite do quarto em que ambos dormiam para passear pelo cemitério. Ele também descobre que sua mulher coloca um narcótico em seu chá para ele não acordar. Uma noite, Hippolit evita o chá com narcótico e segue Aurelia até o cemitério, onde ele descobre para seu horror, que ela e outras mulheres alimentam-se dos corpos dos mortos.
Depois de acordar de volta em seu quarto, Hippolit acredita ter sido um pesadelo, mas quando sua esposa se recusa a comer, ele repreende seu comportamento sinistro no cemitério. Aurelia ataca com raiva seu marido, como um animal predador, e morre em convulsões. O conde enlouquece e comete suicídio.



Nikolai Gogol (Viy, 1836)









"Viy" (em russo: Вий) é um conto de horror do escritor russo Nikolai Gogol, publicado no primeiro volume de sua coleção de contos intitulada Mirgorod (1835). O título refere-se ao nome de uma entidade demoníaca central para o enredo.

Gogol alegou Viy que era uma criatura do folclore ucraniano, mas na realidade não é verdade, e não há vestígios de que a criatura é encontrada em qualquer uma das tradições eslavas. Gogol inventou isso, mas não diminui de forma alguma a história, e talvez aumentar o seu efeito, dando um toque imaginativo inédito.
O conto é sobre um seminarista chamado Khoma que se hospeda na casa de uma bruxa. Ela o coloca sob um feitiço, e faz com que ele se deite. Ela decidiu montar sobre as costas dele e o seminarista anda em torno do campo como se ele fosse um cavalo. De repente, Khoma descobre que eles estão voando e percebe que ela é uma bruxa. Ele exige que ela o coloque de volta para baixo, e assim que desembarcar, ele pega um pedaço de pau e bate nela violentamente. Como a senhora grita dizendo que ela está morrendo, ele olha e vê que a bruxa se transformou em uma bela jovem.
Pouco depois ele foi convocado para casa de um proprietário para cumprir o último desejo de sua filha, e queria o aluno em particular para velar o seu corpo durante três noites. A filha morta, é claro, não é outro senão a bruxa, mas agora com uma aparência bonita. E as histórias que eles contam que vão desde a feitiçaria para o vampirismo. O pobre seminarista quer fugir, mas os cossacos do senhorio não lhe deixam escolha a não ser deixá—lo trancar—se sozinho com o caixão da morta. Haverá três noites frenéticas.
Gogol não era apenas qualquer escrito, como sabe qualquer leitor que tenha passado por seus contos e romances, e assim, esta história pode ser assustadora, mas é sabiamente estruturada. Com um ar de literatura popular e costumes ucranianos, Gogol é dedicado à distribuição de mitos básicos do folclore na história. Esse tom popular, criado por descrições de locais e reforçado pelo diálogo, é o que faz parte da história mais crível na literatura do gênero.

 

Théophile Gautier (La Morte amoureuse, 1843)
  



Esta obra foi lançada no Brasil com o nome A Morta Amorosa no livro O Clube dos Haxixins.

O conto a amante amorosa retrata um encontro sexual entre uma vampira e um monge. O narrador, Romuald, se apaixona por uma cortesã vampira que o afasta de seus votos sacerdotais e o leva a uma vida de prazer e extravagância. Clarimonde é uma das primeiras e mais sedutora vampira da literatura.

Esta obra foi lançada no Brasil com o nome A Morta Amorosa no livro O Clube dos Haxixins.

Alexei Tolstoy (The Family of the Vourdalak, 1843)





A figura do vampiro, desde a sua estréia na literatura romântica do século dezenove, é um personagem cuja popularidade não cessou de crescer até os dias de hoje.

Mas poucos leitores no Brasil conhecem esta obra de Aleksey Tolstoi, tão citada pelos cultores do gênero em outros países.
A Família do Vurdalak, centrada na figura lendária do upyr russo, é um relato que sem dúvida inclui—se entre os melhores do gênero vampiresco. Por isso mereceu uma adaptação para o cinema em 1963, com Bóris Karloff no papel do velho patriarca russo que acaba vampirizando toda a sua família.
A história tem como cenário a agreste campina sérvia, e seu ritmo, atmosfera e desenlace feérico antecipam as narrativas mais inquietantes que consagrariam o gênero cinematográfico no século XX.

Alexandre Dumas (The Pale-faced Lady, 1848)


Sinopse: Edvige, uma jovem polonesa cuja família se perdeu numa guerra entre a Polônia e a Rússia, encaminhou—se, como seu pai lhe recomendou, para pedir asilo em um mosteiro, perdido entre as solitárias montanhas dos Cárpatos.
Tendo sido atacada no caminho por bandoleiros, ela se vê prisioneira em um castelo sombrio, sob a tutela de uma estranha família. Gregoriska e Kostaki são os dois irmãos, de origem nobre, que carregam sobre si uma maldição… e ambos se apaixonam por Edvige. Ela sabe qual deles tem o sentimento mais nobre, porém a terrível maldição do vampirismo paira, como uma nuvem sombria, sobre aqueles dois homens. E sobre o amor que ela sente por um deles.
O livro a dama pálida tem grande semelhança com a série diários de um vampiro.

Richard Burton (Vikram and the Vampire, 1870)




Vikram e o Vampiro é um livro de narrativas hindu, coletadas no século XIX pelo pesquisador inglês Richard Francis Burton. Neste livro, o grande rei Vikram, considerado como o rei Arthur do Oriente, é colocado por um inimigo numa situação em que tem que levar para um iogue um baital – espécie de espírito maligno da mitologia hindu que toma a forma de morcego e habita cadáveres.

Os mitos tratados por este livro são citados por alguns pesquisadores como uma das influência na formação do mito do vampiro ocidental.
Sheridan Le Fanu (Carmilla, 1872)         


Este livro foi publicado em 1872 e é uma das primeiras obras sobre vampiros. Carmilla também foi referência para o livro Drácula que foi escrito por Bram Stoker.
O livro Carmilla é narrado pela protagonista Laura que vivia com o seu pai e duas governantas em um castelo na Áustria. Laura e seu pai estavam viajando em uma estrada quando ocorre um pequeno acidente próximo a eles. Uma carruagem que passava perto deles tomba no caminho. Uma jovem foi retirada da carruagem e uma senhora sai de lá dentro e começou a observar a jovem que estava desmaiada. O pai de Laura oferece ajuda. Então, a senhora aceita a ajuda dizendo que tem uma longa viagem e que regressará dali há três meses. Laura e seu pai receberam a jovem como hóspede. A bela e misteriosa jovem disse que se chamava Carmilla, porém não fala quase nada sobre seu passado. Laura e Carmilla tornam—se amigas, e quanto mais íntimas se tornam, mais eventos estranhos começam a acontecer no castelo.


Fergus Hume (A Creature of the Night, 1891)


Mistério Fergus Hume Gothic começa uma noite no final do século XIX—Verona, quando um jovem inglês perde seu caminho e encontra-se perdido em um cemitério assustador. Vendo uma mulher misteriosa emergir de um dos túmulos, ele a segue para uma mansão deserta, onde ele testemunha um assassinato digna dos Bórgias. Como pode tal crime ter lugar sem ser detectado na prosaica do século XIX? E é a mulher de um vampiro? Um vampiro? Ou um vilão bem mais terrena ...?
A fin—de—siècle thriller do autor de O Mistério de um Hansom Cab, este é um mistério clássico do Victorian pingando com uma atmosfera de época e e romance italiano.



H. G. Wells (The Flowering of the Strange Orchild, 1894)





Lançado no Brasil com o nome O florescimento da estranha orquídea na antologia de contos O Vampiro antes de Drácula (Editora Aleph, 2008)
O autor conta o curioso caso de um comprador de plantas. Em uma de suas compras, ele adquire alguns exemplares de orquídeas, sendo que uma delas é extremamente estranha, mesmo antes de florescer. E, após o seu florescimento, ele encontra seu primo, em uma tarde, sendo atacado por essa estranha criatura que, por meio de ventosas ligadas a tentáculos em seu caule, sugava — lhe o sangue. Ele consegue salvar—lhe a vida, enquanto a estranha planta negra continuava a espera de sua próxima vítima.

Mary Elizabeth Braddon (Good Lady Ducayne, 1896)



Em procura de trabalho para ajudar a sua mãe, a jovem Bela Rolleston vai a uma entrevista para conseguir o emprego de dama de companhia na casa de Lady Ducayne, uma idosa de saúde delicada.

Em princípio, Bela está satisfeita com o trabalho na casa de Lady Ducayne e o salário é bom.
No entanto, a mãe de Bela começa a preocupar—se, pois não está segura de que sua filha seja tão feliz como parece, pois agora de alguma maneira parece mais fatigada, menos vivaz, e teme que alguma forma esteja adoecendo a jovem.

O noivo de Bela, Herbert Stafford, também inquieto pelos temores da mãe de Bela, começa a investigar Lady Ducayne, e descobre que várias donzelas ao serviço da idosa morreram nos últimos anos de forma imprevista, debilitadas apesar de sua juventude e vitalidade.

Depois de realizar uma série de averiguações, Herbert enfrenta Lady Ducayne com a verdade: o doutor Leopold Parravicini, médico pessoal da idosa, mantinha a vida da idosa realizando transfusões de sangue que obtém de suas donzelas, previamente dopadas com clorofórmio. Lady Ducayne aceita impassível as acusações de Stafford, e decide deixar Bela partir, cansada das consequências de seu tratamento.

Tempo depois, Herbert e Bela casam—se. A moça recebe um cheque de 1.000 libras em seu nome enviado por Lady Ducayne, devido aos serviços prestados.




Varney the Vampire (1847)— James Malcolm Rymer




O enredo diz respeito aos problemas que Sir Francis Varney inflige sobre os Bannerworths, uma família outrora rica conduzida à ruína por seu pai, recentemente falecido. Inicialmente, os Bannerworths são a Sra. Bannerworth e seus filhos adultos Henry, George e Flora. (George nunca é mencionado após o trigésimo sexto capítulo.) Um amigo da família, o Sr. Marchdale, vive com os Bannerworths nos capítulos iniciais. Mais tarde, o noivo de Flora, Charles Holland, e seu tio Admiral Bell juntamente com seu assistente, o extremamente bem—humorado Jack Pringle, passam a viver na residência dos Bannerworths.

Varney foi uma grande influência na ficção de vampiros, mais notavelmente influenciou Drácula (1897), de Bram Stoker. Muitos os elementos das histórias de vampiro, teve origem em Varney: Varney tem dentes afiados, deixa duas perfurações no pescoço de suas vítimas, tem poderes hipnóticos, e tem força sobre—humana. Ao contrário de vampiros ficcionais do século XX, ele é capaz de andar sobre a luz do dia e não tem nenhum medo particular das cruzes ou alho. Ele pode comer e beber em sua forma humana como disfarce, mas ele aponta que não gosta de comida e bebida humana.

Bram Stoker (Drácula, 1897)








Sinopse:
Drácula é uma história de vampiros; de criaturas que estando mortas permanecem vivas. É também uma história de pessoas corajosas que se lançam à destruição de uma insólita e maléfica ameaça. Como quer que seja, permanece intacta nestas páginas a mesma emoção de milhões de leitores e espectadores que penetraram na história que se inicia num castelo desolado nas sombrias florestas da Transilvânia. Lá, um jovem inglês é mantido em cativeiro, à espera de um destino terrível. Longe dele, sua noiva bela e jovem é atacada por uma doença misteriosa que parece extrair o sangue de suas veias. Por trás de tudo, a força sinistra que ameaça suas vidas: Conde Drácula, o vampiro vindo do fundo dos séculos.




#Compartilhar
Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates