quarta-feira, 3 de agosto de 2016

O dia depois de amanhã

O dia depois de amanhã





O dia depois de amanhã (The Day After Tomorrow), um filme de 2004, em que o aquecimento global leva a uma nova idade do gelo, tem sido vigorosamente criticado por cientistas do clima. Por que isso? Quais erros do filme levaram o Dr. Andrew Weaver, superior modelador climático do Canadá, a afirmar que "o filme de ficção científica O Dia Depois de Amanhã criativamente viola todas as leis conhecidas da termodinâmica"? O que levou o Dr. Gavin Schmidt, climatologista da NASA, a dizer que "O Dia Depois de Amanhã” foi tão terrivelmente ruim? O que poderia um filme de grande sucesso inocente ter feito para merecer duras críticas?





O Dia Depois de Amanhã abre com uma nova descoberta científica por paleoclimatologista Jack Hall, interpretado por Dennis Quaid. Depois de uma viagem particularmente angustiante para recolher amostras de gelo da Antártida, ele descobre evidências de uma mudança climática desconhecida que ocorreu há dez mil anos. Uma vez que o filme é ambientado no início de 2000, e núcleos de gelo produzidos há centenas de milhares de anos têm sido estudados extensivamente desde a década de 1960, parece improvável que um evento climático global recente como esse teria passado despercebido pelos cientistas. No entanto, este passo em falso é desculpável, porque uma descoberta nova é um elemento vital de muitos filmes de ficção científica.





Jack continua a descrever essa mudança climática antiga. As descrições do evento que foram dadas por Jack são surpreendentemente precisas: uma mudança repentina no clima ocorreu há cerca de dez mil anos atrás, e foi provavelmente foi causada pelos mecanismos que ele descreve. Para os cientistas,
O clima da última idade de gelo não era suave e gradual. Pelo contrário, era pontuada por saltos de temperatura, juntamente com retornos bruscos de condições glaciais. Dados indicam uma queda relativamente rápida das temperaturas globais em torno de 11 mil anos atrás. As condições glaciais duraram aproximadamente um milênio até o fim da era do gelo.
Muitas perguntas sobre a Idade do Gelo permanecem, mas a comunidade científica está bastante confiante de que os ciclos regulares de períodos glaciais e interglaciais que ocorreram ao longo dos últimos três milhões de anos foram iniciadas por mudanças na órbita da Terra e amplificado pelo ciclo do carbono. Quando um período glacial começa, as mudanças na distribuição espacial e temporal da luz solar favorecer o crescimento das geleiras no hemisfério norte. Essas geleiras refletem a luz solar, o que altera o equilíbrio energético do planeta. O resfriamento resultante diminui as concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa, através de mecanismos como a absorção pelas águas frias do oceano.
A idade do gelo em O Dia Depois de Amanhã tem uma origem mais estranha. Há uma rede de enormes tempestades de neve em forma de furacão, cobrindo continentes inteiros, os depósitos de neve criam uma idade de gelo em questão de dias. Como se isso não fosse suficiente, o ar da tempestade é frio o suficiente para congelar as pessoas instantaneamente, colocando os personagens em perigo mortal.
Em uma parte do filme, Jack está tentando prever o desenvolvimento da tempestade ao longo dos próximos meses, o que é impossível de modelar com precisão usando a tecnologia de hoje. Modelos de tempo, que projetam condições atmosféricas iniciais para o futuro, são apenas fiáveis para uma ou duas semanas: após este tempo, a natureza caótica de tempo faz com que haja erros de arredondamento pequenos que mudam completamente o resultado da previsão. Por outro lado, os modelos climáticos estão preocupados com valores médios e condições de contorno ao longo de décadas, que não são afetados pelos princípios da teoria do caos.
Jack começa a trabalhar convertendo seu "modelo de paleoclima" a um "modelo de previsão" para que ele possa prever o caminho da tempestade. É provável que esta conversão envolva a construção de uma nova rede de alta resolução e adicionar dezenas de novos processos climáticos no modelo, uma tarefa que levaria meses e necessitaria de uma vasta equipa de cientistas. No entanto, Jack parece ter habilidades de programação sobre-humanos: ele escreve todo o código por si mesmo em 24 horas!
Quando ele terminou, ele decide descansar um pouco até que a execução da simulação tenha terminado. No mundo real, isso levaria pelo menos uma semana, mas colegas de Jack o acordam depois de apenas algumas horas. Evidentemente, seu laboratório tem acesso a recursos de computação mais poderosos do que qualquer coisa conhecida pela ciência de hoje. Em seguida, os colegas de Jack lhe entregar "os resultados" em uma única folha de papel. Clima real modelo de saída vem na forma de tabelas de dados, que podem ser convertidos em mapas digitais, animações e gráficos de tempo usando um software especial. O modelo de Jack parecia simplesmente cuspir alguns números.
 Amigo de Jack, Terry Rapson, climatologista do Reino Unido, explica que o ar frio a partir do topo da troposfera está descendo rapidamente. Ele estima que o ar deva ter temperatura de -150 ° F (cerca de -100 ° C). O ar frio pode congelar o combustível dos helicópteros.

Há um problema principal no filme: a média de temperatura da parte mais alta e mais fria da troposfera é -60 ° C, e em nenhum lugar isso chegar a -100 ° C.
Mais tarde no filme, a cientista da NASA Janet Tokada está monitorando as tempestades usando dados de satélite. Ela regista que a temperatura está diminuindo no interior da tempestade a uma taxa de 10 graus por segundo.
Em conclusão, existem muitos problemas com a descrição de tempestade que foi apresentada no filme, apenas alguns dos quais foram aqui resumidos. Pode-se estar certo de que um fenômeno meteorológico tão assustador não poderia acontecer no mundo real.
Se a historia de O Dia Depois de Amanhã ocorre em centenas de anos no futuro, a habilidade de modelagem de cientistas do clima e a energia do computador disponível para eles podem ser plausíveis. Na verdade, seria muito emocionante ser capaz de construir, executar e analisar modelos rapidamente e com tanta precisão como Jack e seus colegas podem fazer. Infelizmente, nos dias de hoje, o campo de modelagem climática funciona de forma bastante diferente.
A lista de erros científicos graves em O Dia Depois de Amanhã é longa. Quando uma nova idade do gelo começa em questão de dias, mas não é causada pelos mecanismos conhecidos que provocaram períodos glaciais no passado - em vez disso, tempestades maciças com características fisicamente impossíveis alteram radicalmente as condições atmosféricas. O gelo da Groenlândia derrete e faz com que os oceanos se elevem a um ritmo inconcebível. Mas quando a idade do gelo começa, o nível do mar não cai como as leis da física ditam que isso deveria ocorrer. Finalmente, o filme retrata o esforço da ciência, particularmente no campo da modelagem climática.

Não teria sido muito difícil ou caro para a equipe de gravação do filme para contratar um climatologista como um conselheiro da ciência - na verdade, uma vez que o enredo gira em torno do aquecimento global, parece estranho que eles não o tenham feito. Só podemos esperar que os futuros filmes de grande sucesso sobre a mudança climática sejam mais rigorosos no que diz respeito à precisão científica. Apesar de alguns pontos fracos no enredo, vale apena assistir ao filme.


#Compartilhar
Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates