quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Filme um dia perfeito

Filme um dia perfeito



Se tivesse um reino, os personagens de Um dia perfeito (a perfect day, Espanha, 2015) o trocariam inteiro por um pedaço de corda – mas eles não tem nada além de problemas. 

A começar, justamente, pela corda que arrebentou quando tentavam içar, de dentro de um poço, o cadáver de um sujeito obeso. Quem é o morto, e quem o jogou ali? Não há como descobrir: nos balcãs de 1995, na etapa final da guerra da Bósnia, cada cidadão é uma facção inimiga em potencial. Só a intenção é clara: envenenar o já parco suprimento de água do vilarejo. Mambrú (Benicio Del Toro), B (Tim Robbins) e a novata Sophie (Mélanie Thierry), que compõem o grupo de voluntários encarregados de pescar o defunto, sabem que a tarefa é urgente, mas não fazem ideia de onde encontrar a corda indispensável a sua realização. E os caminhos tortuosos que eles percorrem nas 24 horas seguintes, em busca desse item tão banal, compõem o trajeto emocional do filme extraordinário dirigido pelo espanhol Fernando Léon de Aranoa.

Em várias praças do país, portanto, é boa notícia que Um dia perfeito protagonize uma experiência inédita aqui, embora já corriqueira nos Estados Unidos e na Europa: o filme de Aranoa entrou simultaneamente nos cinemas e na NOV, plataforma de vídeo on demand (VOD). 

Produções independentes poucas vezes conseguem distribuição fora das maiores capitais, o que obriga os expectadores de cidades sem circuito alternativo a esperar crônicas pelo lançamento em VOD, DVD, cabo e, lá no fim do percurso, com sorte, na TV aberta. Os autores da iniciativa, entre os quais a empresa americana Móvil, se dedicam agora a selecionar outros títulos que possam se mostrar atraentes em ambas as formas de exibição.

 Um dia perfeito é uma excelente escolha inaugural. 

Ora cômico, ora trágico e muitas vezes surreal- embora perfeitamente realista- o filme consegue, em seus 105 minutos enxutos e fluidos, desenvolver com riqueza cada um de seus personagens (aos quais se juntam a burocracia impaciente de Olga Kurylenko, o interprete exausto de Fedja Stukan e o menino Nikola, que quer reaver sua bola de futebol), até decantar o que pessoas tão diferentes tem afinal em comum: a certeza de que são sim impotentes mas ainda assim indispensáveis.


FONTE: revista Veja, julho de 2016.


#Compartilhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates