sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Editoras pagas: é vaidade auto-publicar seus livros?

Editoras pagas: é vaidade auto-publicar seus livros?



Editoras pagas, editora independente ou editoras sob demanda são termos que descrevem uma editora em que os autores pagam para ter os seus livros publicados. Além disso, editoras pagas não têm critérios de seleção ao contrário de outros modelos de publicação.
Em contraste, editoras tradicionais, quer grandes empresas ou pequenas, obtém seu lucro das vendas do livro para o público em geral e pagam a edição das obras. Os editores tradicionais devem, portanto, ser cautelosos na escolha de publicar obras que vão vender, nomeadamente no que eles devem recuperar o seu investimento (como um adiantamento e royalties para o autor, a orientação editorial, promoção, marketing ou publicidade). A fim de vender livros, editoras tradicionais também podem ser seletivas a fim de cultivar uma reputação de trabalho de alta qualidade, ou se especializar em um determinado gênero. Uma editora tradicional vai custear a edição do livro e dificilmente escolhe obras de escritores desconhecidos. Editora é uma empresa como outra qualquer e precisa ter lucros para se manter.



Como as editoras pagas não são geralmente seletivas, a publicação por uma editora independente normalmente não é visto com o mesmo reconhecimento ou prestígio que a publicação comercial. Editoras pagas oferecem mais independência para o autor do que a indústria editorial tradicional; no entanto, suas taxas podem ser mais elevadas do que as taxas normalmente cobradas por serviços de gráficas comuns, e às vezes são necessários contratos restritivos.

Enquanto o mercado pretendido de uma editora tradicional é o público em geral, o mercado de uma editora paga se destina ao autor e ao número muito pequeno de membros interessados do público em geral. Em alguns casos, os autores que publicam um livro por editora sob demanda comprarão um número substancial de cópias de seus próprios livros, de modo que possam dá-los como uma ferramenta promocional.



A maioria dos autores que utiliza esse serviço está publicando por vaidade e o seu trabalho não é tão bem sucedido comercialmente. A editora independente pode ter o controle sobre os direitos autorais do trabalho publicado e fornece edição limitada ou não. Além disso, essas editoras pagas podem oferecer serviços extras em troca de uma taxa.

Algumas editoras pagas podem praticar atos fraudulentos.

Eu soube que algumas editoras pagas fizeram um péssimo serviço de edição, outras não entregaram os exemplares pelas quais um autor pagou, etc. Essas editoras que cobram para publicar não fazem marketing da obra que fica sob a responsabilidade exclusiva do autor e não deixam os livros em nenhuma livraria. O escritor auto-publicado deve arregaçar suas mangas para divulgar sua obra e vender seus livros senão os exemplares ficam encalhados no canto da garagem de casa e não recupera o investimento. Existem escritores auto-publicados que vão às escolas para vender seus livros. Para procurar os nomes das editoras pagas, pesquise os termos “editoras independentes”, “editoras que aceitam novos autores”, “publicar livro” e “editoras sob demanda” nos buscadores como o google. Muitas editoras pagas usam eufemismos como “divisão de custos” e “compra de exemplares” para dizer que o autor deve bancar a edição do livro.

No modelo tradicional de publicação, a editora assume os custos de publicação e produção, seleciona os trabalhos a serem publicados, edita o texto do autor, prevê a comercialização e distribuição, proporciona o ISBN, faz o depósito legal na biblioteca nacional, registro de direitos autorais e outras formalidades. Tal editora tradicional paga normalmente ao autor uma taxa, chamada de antecedência pelo direito de publicar o trabalho do autor e outros pagamentos chamados de royalties com base nas vendas da obra. Isto levou a famosa frase de James D. Macdonald: "O dinheiro deve sempre fluir em direção ao autor".


Os editores tradicionais nos dias de hoje esperam que os seus escritores façam a maior parte do trabalho de marketing embora a editora tradicional faça a divulgação dos livros nos principais meios de comunicação. Editoras tradicionais, no entanto, assumem a maior parte das receitas da venda de livros, oferecendo taxas de royalties baixos para os seus escritores de cerca de 7 a 8% em livros de bolso, e 25% das receitas líquidas em ebooks.


Em uma editora independente, autores pagam para ter os seus livros publicados. Como o autor está pagando para ter sua obra impressa, o livro não passa por uma aprovação ou processo editorial como os livros de um ambiente tradicional, onde a editora tem um risco financeiro sobre a capacidade do autor para escrever com sucesso. Serviços de edição e formatação podem ou não podem ser oferecidos e eles podem vir com a taxa inicial de publicação (ou, mais corretamente, a taxa de impressão) ou podem ser oferecidos a um custo adicional.

Escritores auto-editores cumprem as funções de um editor para com seus próprios livros sem necessitar de uma editora independente. Alguns "auto-editores" escrevem, editam, fazem design de capa, layout das páginas, comercializam e promovem seus próprios livros, contando com uma impressora somente para impressão real e obrigatória. Outros escrevem o manuscrito em si, mas contratam profissionais freelance para fornecer serviços de edição e produção.


Um modelo mais sofisticado de uma editora independente é descrito por Umberto Eco em “O Pêndulo de Foucault”. A empresa que fornece ajuste inicial para o romance opera como uma pequena editora que não faz um lucro, mas traz um fluxo constante de autores desclassificados. Eles são educadamente rejeitados e, em seguida, encaminhados para outra editora, a mesma editora independente que vai imprimir qualquer coisa por dinheiro. Isso é surpreendentemente semelhante ao modelo de negócios adotado pelas editoras pagas.

Algumas empresas fazem uso de impressão de demanda com base em impressão digital. Estas editoras pagas são capazes de oferecer os seus serviços com pouco ou nenhum custo inicial para o autor. Editoras pagas não ganham o seu dinheiro vendendo os livros para os leitores, como editores tradicionais fazem, mas sim através dos serviços para os autores. O escritor recebe os seus livros e pode tentar revendê-los através de quaisquer canais estão disponíveis.

Um autor que tenha sido publicado por uma editora independente terá mais dificuldade em trabalhar com uma editora respeitável no futuro.

Editoras pagas utilizam impressão de demanda como impressoras, e servem como vendedores de serviços de apoio aos autores interessados em auto-publicação.
Algumas empresas deste tipo estabelecem cláusulas contratuais de publicação.

O modelo de edição independente foi estendido para outras mídias. Algumas empresas produzem vídeos, música e outros trabalhos com menos potencial comercial em troca de uma taxa dos criadores dessas obras. Em alguns casos, a empresa pode contribuir com conteúdo original para as obras (por exemplo, fornecendo a letra de uma melodia).

Revistas acadêmicas independentes também existem e publicam com pouca ou nenhuma supervisão editorial.
No século XIX e início do século XX, era comum um autor publicar seus livros em editoras independentes se ele podia pagar os custos de publicação de seus livros. Tais escritores poderiam esperar mais controle de seu trabalho e maiores lucros. Entre esses autores estão Lewis Carroll, que pagou as despesas de publicação de “As aventuras de Alice no país das maravilhas” e a maioria de seu trabalho posterior. Mark Twain, E. Lynn Harris, Zane Grey, Upton Sinclair, Carl Sandburg, Edgar Rice Burroughs, George Bernard Shaw, Edgar Allan Poe, Rudyard Kipling, Henry David Thoreau, Walt Whitman, etc. Nem todos esses autores conhecidos foram bem sucedidos em seus empreendimentos; o negócio de publicação de Mark Twain, por exemplo, foi à falência.

Ernest Vincent Wright, autor do romance Gadsby (1939), famoso por ter sido escrito inteiramente em lipograma, foi incapaz de encontrar uma editora para seu trabalho incomum e finalmente escolheu publicá-lo através de uma editora independente.


Ainda me lembro da excitação crescente quando abri meu email e li a mensagem de uma editora que brilhava com elogios para o meu trabalho. Pensei: "Alguém se interessou em publicar meu livro, uma editora finalmente me respondeu!"

Quando abri o anexo em pdf que a editora me enviou, deparei-me com uma lista de vários pacotes de publicação, opções sobre a quantidade de livros que eu teria que comprar para pagar os custos da edição, em seguida, o preço da publicação. Era uma editora paga. E de repente eu me senti como uma tola.

Pensando nisso, eu ainda sinto constrangimento por causa disso. Eu tenho um ebook à venda em um site, encorajada por isso, eu tinha enviado o meu "livro" a uma editora que dizia “publicar livros de novos escritores”.
Eu pensei que essa editora iria julgar, editar e apreciar meu trabalho. Entretanto, eu havia enviado meu trabalho acidentalmente para uma editora paga.
Respondi ao email da editora onde eu falei que eu não dispunha de recursos para comprar a cota de livros. Era verdade. Infelizmente, eu não tinha esse dinheiro. Depois disso, eu decidi continuar vendendo meu livro apenas em formato ebook que não tem custos.
Olhando para trás, eu me pergunto agora por que enviar acidentalmente o meu trabalho para uma editora independente me encheu de constrangimento mortal. Não era realmente vaidade que me fez enviar minhas histórias, era ignorância e ambição - duas palavras intimamente relacionadas com vaidade, mas não são a mesma coisa.



A mercantilização da palavra escrita tem sido sempre um assunto controverso. Mark Twain era originalmente auto-publicado.
Conheço uma pessoa que recentemente pagou um bom dinheiro para ter seu livro impresso e sua casa ficou cheia de exemplares.  Soube de pessoas que venderam o próprio carro para bancar a publicação de um livro.
Você está pagando para ver seu trabalho impresso? Isso é auto-publicação, embora ainda baseado em um grau de vaidade ou pelo menos auto-confiança. Mas, certamente, isso é um modelo de negócio, um modelo padrão para a ambição?

A auto-publicação é também aceita em outros nichos de mercado.

Ainda há outros meios de auto-publicação, mais fáceis e mais baratas, por exemplo, a Lulu, Bubok, Creatspace, Clube dos autores e Perse onde os escritores publicam suas obras sem passar por análise de terceiros, a impressão do livro é feita sob encomenda e não há custo inicial. Uma das desvantagens desses portais onde se vendem livros por encomenda é que o preço da obra sai muito caro para o comprador. Como um livro auto-publicado da Perse que possui 200 páginas e custa 50 reais vai competir com um livro do Harry Potter que possuía mesma quantidade de folhas e vale a metade desse preço?
Há uma série de fóruns dedicados às sutilezas desse processo. Os escritores auto-publicados cuidadosamente explicam que seus livros são auto-publicados apenas porque seu trabalho não se encaixava em nenhum gênero "aceito" ou "convenção" de ficção comercializável. Estes autores sempre salientam que os seus livros auto-publicados não são sustentados por "vaidade", mas há uma amargura subjacente entre eles também.

Por que alguns escritores decidem pagar uma editora independente para publicar suas próprias ficções? Todas aquelas pessoas dos fóruns de auto-publicados bancaram seus livros porque suas obras foram rejeitadas por todas as editoras tradicionais sob o sol e eles desejavam ter seu livro impresso a qualquer custo, ou são auto-publicados porque eles queriam ser independentes das editoras tradicionais?

Para saber mais sobre o mercado editorial, veja os vídeos abaixo:






#Compartilhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates