domingo, 31 de julho de 2016

Filme A conquista da honra- o lado americano da batalha de Iwo Jima




O filme A conquistada honra (The flags of our fathers no original) nos dá um olhar angustiante nas batalhas que foram travadas durante a Segunda Guerra Mundial, e então nos retorna aos EUA para testemunhar as batalhas internas travadas pelos três sobreviventes que hastearam a bandeira em Iwo Jima. Todo mundo já viu a imagem dos seis bravos soldados que levantaram a bandeira americana em Iwo Jima no Monte Suribachi, mas Eastwood usa isso como o foco de seu filme.

Foto original do hasteamento da bandeira de Iwo Jima

Ryan Phillippe interpreta John "Doc" Bradley, um médico da marinha cuja responsabilidade é fazer tudo parecer bem para aquelas vítimas feridas que ele sabe não tem nenhuma chance de sobrevivência. Jesse Bradford interpreta Rene Gagnon, um fuzileiro naval. Adam Beach interpreta Ira Hayes, um índio americano (Pima), que vai para a guerra e é alvo de muitas piadas raciais de seus colegas soldados. Os três homens são parte do grupo de seis que levantou a famosa bandeira em Iwo Jima.

Uma das primeiras cenas do filme A conquista da Honra
Quando a foto, tirada por Joe Rosenthal, atinge os jornais na América, torna-se instantaneamente popular, e é vista por muitos como sendo um sinal de que a vitória foi alcançada. Os políticos percebem que a imagem poderia ser usada como um grito de guerra para levantar mais dinheiro para a guerra e levam para casa os homens da imagem que ainda estão vivos para fazer a captação de recursos. Gagnon vê a oportunidade de deixar Iwo Jima. Bradley, que tinha sido ferido, retorna para casa quase com indiferença, como se esperasse voltar em breve. Ira Hayes não tem qualquer desejo de deixar Iwo Jima, e até mesmo ameaça a vida de Gagnon por não desejar ser apontado como um dos hasteadores da bandeira. O Gagnon não menciona Hayes inicialmente, dizendo que não consegue se lembrar de quem era o terceiro cara. Mas, quando a questão é levantada de que talvez uma vez que Gagnon não consegue se lembrar do terceiro homem, pois não era realmente um dos hasteadores da bandeira e está ameaçado ser mandado de volta para a guerra se ele não pode nomear o terceiro indivíduo, Gagnon cede, para o desespero de Hayes.











Quando os três homens voltam para casa, eles são forçados a fazer aparições, discursos e o hasteamento da bandeira. Os três viraram celebridades da noite para o dia. Gagnon ama os holofotes (como faz sua namorada amigável diante das câmeras) e usa sua nova fama como uma maneira de obter ofertas de emprego durante as turnês. Ira Hayes despreza tanto o status de herói que ele bebe antes de cada show.




A história é contada em flashback. Ele abre com Bradley, muito mais velho, revivendo as cenas horríveis da guerra em seus pesadelos-flashbacks que têm. Sem dúvida, esse pesadelo o assombrou durante toda a sua vida. Em seguida, relembra o momento antes de os soldados chegarem em Iwo Jima.



Nós o vemos treinar, ser informados sobre a configuração da ilha, e ver como cada um se prepara para lutar em sua própria maneira. Ele continua indo e voltando no tempo: vemos os soldados, podemos vê-los em casa, as turnês onde os três fazem shows para levantar dinheiro, de volta à guerra, volta levantar dinheiro, etc. Se há uma coisa sobre "a conquista da honra" que eu não aprecio, é a linha de tempo instável. Eu realmente não vejo a necessidade de flashbacks a cada minuto. Em seguida, vemos como os três homens experimentaram a guerra e as consequências.











Há uma cena de flashback grande, no entanto, que de qualquer forma foi a mais importante no filme. Os três homens estão reencenando o hasteamento da bandeira em uma montanha falsa no meio do Soldier Field, em Chicago. Cada um dos três homens começa a subir ao topo, com fogos de artifício saindo em torno deles e luzes em todos os lugares. Nesse momento, eles individualmente são levados de volta para as coisas terríveis que eles viram na ilha. Na minha opinião, esta é a cena mais poderosa do filme.
"A conquista da honra" contém o que você provavelmente esperaria de um filme de guerra. Ele contém uma quantidade razoável de linguagem profana. A violência vai lembrar muito aquela que se veem no filme "O Resgate do Soldado Ryan,".











A cena mais assustadora e chocante de “a conquista da honra” foi aquela onde Ira Hayes estava inclinado no chão e mirava um alvo com o rifle em um momento da batalha. Um jovem soldado americano se posicionou ao lado dele. Os dois trocam algumas palavras por um segundo. Em seguida, esse colega de farda de Ira se levanta e corre em direção a um abrigo japonês. Nesse momento, um tiro de morteiro atinge o rapaz. Lembro que a cabeça do cara foi decapitada no impacto da explosão e foi arremessada para trás das costas de Ira. Lembro que Hayes olhou para a cabeça de seu colega de farda e teve a mesma reação que eu tive. Quando vi essa cena pela primeira vez, meu sangue gelou e pensei nisso durante dias. Aliás, essa cena se passa nos 34 minutos do filme.
Outra parte que me chocou foi aquela em que o enfermeiro da marinha, John "Doc" Bradley, olha para os corpos que estavam empilhados no campo de batalha. Esta é exibida em 1 hora e 1 minuto do filme.
Os pais devem tomar cuidado em deixar as crianças impressionáveis ​​ver este filme. Pessoas com problemas cardíacos não podem vê-lo, pois há violência extrema em algumas cenas. No entanto, fornece uma poderosa lição para as crianças mais velhas.



"A conquista da hora" é um bom filme guerra, mas eu não sei se posso descrevê-lo como um grande filme. O tempo cronológico não-linear é realmente frustrante depois de alguns minutos de exibição. Eu não estou querendo desencorajar as pessoas a ver o filme baseado nestes pequenos aborrecimentos.



Continue Reading

sábado, 30 de julho de 2016

Livro Frankestein- Mary Shelley



Frankenstein é um velho clássico sobre um cientista que cria um monstro e os eventos terríveis que ele inadvertidamente provoca. Victor Frankenstein é um jovem estudante da universidade que descobre como dar vida a um corpo inanimado e usa seu conhecimento para criar um homem-monstro. Ele acredita que sua descoberta o levará a novos avanços científicos.

Cada livro que foi escrito sobre a inteligência artificial desde Frankenstein deve algo a Mary Shelley. Achei que a relação entre o monstro e criador atraente e fascinante.

Eu gostei do fato de que, embora Victor Frankenstein vê seu monstro como um demônio brutal, o livro permite que os leitores vejam os eventos do ponto de vista do monstro. Eu gostei dos capítulos da história que foram narrados pelo monstro porque eu simpatizava com sua solidão, enquanto eu pensava que Victor Frankenstein era arrogante e presunçosa. Em última análise, é Frankenstein, que deve responder pelo ato monstruoso cometido por sua criação.
Geralmente este livro é considerado como uma história de terror, mas eu teria que discordar. Este é um livro triste quando você pensa sobre o que teria acontecido se o monstro não tivesse sido tão sozinho. Eu estive pensando sobre isso desde que virei a página final. A escrita é complexa e vívida. Expressa a angústia de ambos: monstro e criador. Aqueles que não gostam de livro complicado e antiquado vai achar que é difícil de lê-lo. Mas eu pensei que a história foi excepcionalmente bem contada. É difícil de acreditar que veio da imaginação de uma jovem de 19 anos que escreveu esse livro em 1818.
Eu recomendo-o e por que ele foi apreciado por tantas gerações.

Continue Reading

Livro As crônicas de Narnia- o leão a feiticeira e o guarda-roupa (CS.Lewis)




Quatro crianças - Lucy, Pedro, Susan e Edmund entram Nárnia através de um guarda-roupa. Narnia é um mundo mágico onde há animais falantes e a Feiticeira Branca, que se autoproclama rainha daquele mundo. Ela faz com que seja sempre inverno em Narnia. Os quatro irmãos entram em momentos diferentes. Lucy entra pela primeira vez e encontra o Fauno que tenta raptá-la por causa da feiticeira que ordenou que entregassem humanos a ela caso vissem algum em Narnia. Edmund, que entra depois, encontra a Feiticeira Branca e pensa que ela é gentil e atenciosa, só para depois descobrir que ela é uma mulher cruel, malvada e não confiável. Susan e Pedro entram juntos e encontram Lucy e Edmund. Eles veem o Sr. e a Sra Castor, que os convida para almoçar em sua casa de campo. Durante o almoço, eles percebem que Edmund (que tinha brigado com os irmãos e estava irritado com os outros três) tinha deixado a cabana para unir forças com a Feiticeira Branca. Edmundo acreditava que a feiticeira iria fazê-lo príncipe de Narnia. Os castores, juntamente com as três crianças partiram em uma longa e perigosa jornada para encontrar Aslan - o Rei e Senhor de Narnia - e resgatar Edmund. Juntos, eles unem forças com o exército de Aslan para pelejar contra a Feiticeira Branca.
Melhor trecho:
“O exército de Pedro – de costas para ela – parecia uma brincadeira. E havia estátuas espalhadas por todo o campo de luta: a feiticeira certamente usara sua varinha. Mas agora ela lutava com o grande facão de pedra. E era com Pedro que lutava, os dois com tal fúria, que Lúcia mal conseguia ver o que se passava. Só via o facão e a espada cruzarem-se com grande rapidez como se fossem três facões e três espadas. Os dois estavam no meio exato do campo de batalha. De um lado e outro, as fileiras dos combatentes. Não havia lugar onde os olhos não vissem coisas de arrepiar”.

Eu amei como Lewis havia criado Narnia, uma terra de criaturas mágicas e aventura. Eu gostava de Lucy, porque ela é uma menina curiosa, verdadeira e de bom coração. Este livro me ensinou uma lição importante: que as aparências podem enganar. Lewis tem um estilo de escrita claro e vívido, o que torna mais fácil para o leitor permanecer absorto. Agora entendo por que O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa é um clássico infantil. É uma leitura obrigatória para todos nós!



Continue Reading

Livro O jardim de cimento-Ian McEwan





Ian McEwan escolhe mostrar as consequências da morte de ambos os pais de uma família de quatro irmãos, todos de várias idades menores de 19 anos.


O primeiro a ir é o pai. A família tem apenas a mãe, mas ela está doente e morre depois de algum tempo. As crianças ficam sozinhas. A personagem principal, Jack, começa a perder o interesse em higiene e relações sociais. A mãe é não é uma personagem tão forte. Ela não diz muito. Mas sua morte remove qualquer pretensão de que a família possa continuar como normal.



Uma vez que a mãe morre. Rachaduras, tanto literal quanto metafórica aparecem na casa. O cimento é usado para enterrar a mãe em um jardim nos fundos da casa. Finalmente, há um participante do mundo fora da casa na forma de namorado da filha mais velha. Ele descobre o segredo no porão. No final, depois que Jack e sua irmã foram capturados durante um ato sexual, o desconhecido chama o serviço social para acabar com a situação.





Sem o apoio e as orientações morais da mãe, as crianças rapidamente perdem a rotina, auto-responsabilidade e qualquer motivação para interagir com o mundo. A perspectiva de voltar à escola no final dos feriados é rejeitada por Jack.



McEwan teve a capacidade de criar um senso de lugar. O calor do verão e a estranheza da grande casa com o cadáver no porão é algo que você pode imaginar claramente. A história pode não ser sempre confortável para ler. A maneira de mostrar como a dor está afetando as crianças às vezes é um ponto positivo.
Continue Reading
Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates