sábado, 30 de julho de 2016

Proibido - Tabitha Suzuma: um livro que trata do tema incesto

Proibido - Tabitha Suzuma: um livro que trata do tema incesto





Maya e Lochan são irmão e irmã, que moram em Londres com sua mãe (nominalmente, em primeiro lugar) e seus três irmãos mais novos. A mãe é alcoólatra irresponsável que é geralmente está trabalhando em um restaurante ou com o namorado (como a história se passa, a mãe torna-se ainda menos presente na casa da família). Lochan é o mais velho, com 17 anos; Maya é apenas 13 meses mais nova que Lochan. Eles cuidavam de seus irmãos mais novos; pelo menos desde que o pai deixou a mãe deles. (O pai se casou novamente e mudou para a Austrália, e as crianças não tem mais contato com ele.). Maya e Lochan são bons pais substitutos e trabalham bem juntos, mas, obviamente, a responsabilidade é um fardo para eles, especialmente por causa do terceiro filho mais velho, Kit, que está entrando em sua adolescência e começando ser um rebelde.

Como a família chegou a esse ponto não foi bem explicado. O filho mais novo, Willa, tem apenas cinco anos de idade, então, presumivelmente, a família estava intacta não há muito tempo. Mas são se sabe como Maya e Lochan eram nos primeiros anos, se eles têm quaisquer boas lembranças de seus pais, quando toda a família estava reunida. As poucas memórias que são apresentadas indicam que os pais tinham um relacionamento amargo, mas não está claro se isso é apenas durante o rompimento ou na totalidade de suas infâncias. Este ponto da historia importava para mim. Eu queria ter uma idéia de como suas vidas inteiras tinham sido. O fato de que o pai abandonou a família sem remorso praticamente indica que ele não era provavelmente o melhor pai.

 Maya e Lochan são inteligentes, responsáveis ​​e mais pacientes do que um monte de pais biológicos de 30 anos de idade. Eles (e compreensivelmente) têm pouca utilidade para a mãe irresponsável, mas no geral, eles não mostram muita raiva em sua direção ou em direção a seu pai ausente.

Em geral, eu acredito que a personalidade é geralmente formada por uma combinação de natureza e criação. Claro, existem casos de pessoas que passaram por provações terríveis, mas passam a ser pessoas maravilhosas, produtivos e saudáveis. Os tipos de golpes que Maya e Lochan receberam em suas vidas jovens são prejudiciais. No entanto, não parece haver uma ligação feita entre esses eventos prejudiciais, problemas de Lochan e a eventual relação incestuosa no livro.
Uma vez que a história é contada em primeira pessoa, por ambos Maya e Lochan, talvez nós estamos destinados a entender que suas perspectivas estão distorcidas. Mas isso não é o sentimento que eu tenho em tudo. Seus pontos de vista são apresentados de uma forma muito simples. Isso levou a uma desconexão real para mim a partir dos personagens e da história. Além disso, a auto-consciência foi um problema para mim, porque a forma como eles apresentam as suas relações e as escolhas que fazem mostram uma enorme falta de auto-consciência. Cada um deles (Lochan particularmente) fazem escolhas muito ruins no decorrer do livro, mas essas ações são apresentadas como razoáveis, mesmo nobre.
Em suas reflexões e discussões internas uns com os outros sobre a natureza de seu relacionamento, tanto Lochan e Maya dizer que eles nunca se viram como irmão e irmã, mas sim como "melhores amigos." Eu não sei o que isso significa. Pode ser tanto irmão e melhor amigo, em primeiro lugar; minha irmã é minha melhor amiga.
Eles tentam justificar ainda mais o relacionamento tabu por discutir os diversos tipos de relacionamentos doentios, abusivas que a sociedade aceita enquanto condena o incesto.


É crível que Maya e Lochan não vê o papel que a sua vida  familiar desempenha em seu relacionamento.

Isso não quer dizer que eu não tenho simpatia para com o casal. Senti compaixão por eles. Não senti repulsa pelo relacionamento incestuoso.

Eu também achei que não é credível que a atração sexual dos personagens surgiu em uma idade tão tardia. Isso remonta à minha crença de que a relação tinha que ser o resultado de canalização inadequado de emoções. Lochan tem 17, um pouco tarde para um menino de experimentar algum tipo de despertar sexual. Seria muito mais realista para mim (se desagradável para alguns leitores) se Lochan e Maya se apaixonaram um pelo outro quando eles estavam alguns anos mais jovens – quando eles começam a sentir e explorar a sua sexualidade. A intensidade incomum de seu vínculo se manifestaria de uma forma sexual. Em vez disso, Lochan percebe que ele está com ciúmes após o outro menino levar Maya para jantar fora. Maya chega a perceber que, por mais agradável que o outro garoto é, ela não o quer porque ele não é Lochan.

Caracterização é realmente um ponto fraco no romance. Maya não tem personalidade real que eu possa discernir - ela é basicamente uma coleção de virtudes. O único personagem que mostra qualquer profundidade real é o Kit, irmão do meio conturbado, um delinquente juvenil terrível.

E depois há Lochan. Lochan funciona bem no seio da família, sendo responsável, paciente, carinhoso e articulado. Do lado de fora da unidade familiar, além de ser um bom aluno, Lochan é muito retraído. Ele sofre de ansiedade social grave a ponto de não conseguir fazer amigos, incapaz de falar com seus pares, e com medo de falar em sala de aula. Ele tem ataques de pânico. Ele parece ter uma gagueira. Seus monólogos internos são preocupantes. As partes narradas por Lochan podem ser difícil de ler porque elas são a partir de sua própria perspectiva. Ele quase sempre oscila à beira de um colapso nervoso.

O livro começa com este monólogo interior de Lochan:

“Observo as casquinhas pretas, secas, esturricadas que se espalham pela tinta branca descascada dos parapeitos. É difícil acreditar que já tenham estado vivas. Imagino como seria ficar trancado nessa caixa de vidro sem ar, assando lentamente por dois longos meses sob o sol implacável, vendo o mundo exterior – o vento sacudindo as árvores verdes bem à sua frente –, e você se atirando sem parar contra a parede invisível que te isola de tudo que é real, está vivo e é necessário até por fim se render, queimado, exausto, esmagado pela impossibilidade da tarefa. A que altura uma mosca desiste de tentar fugir por uma janela fechada? Será que o instinto de sobrevivência a leva a insistir até não ser mais fisicamente capaz, ou ela finalmente aprende, depois da enésima trombada, que não há saída? A que altura você decide que já chega?”

A voz de Lochan mostra quem ele é: deprimido, atormentado e exausto. No entanto, seus problemas de saúde mental não são sempre claramente delineados.

O que mais me frustrado sobre o caráter de Lochan era isso de novo. Não estava claro se ele tinha sido sempre assim, ou se seus problemas se manifestaram mais tarde em sua infância após o trauma da separação de seus pais.

Lochan e Maya são apanhados por sua mãe quando os dois estavam consumando seu ato sexual. A mãe chama a polícia. Enquanto eles estão esperando achegada dos policiais, Lochan apressadamente tenta convencer Maya que ela deve afirmar que ele a forçou a ter relações sexuais. Seu raciocínio é que um deles deve ficar para cuidar dos irmãos menores, ou eles só terão sua mãe irresponsável para cuidar deles. Se eles admitem que a relação é consensual, os dois vão estar em apuros diante da justiça. Maya finalmente concorda. Lochan foi interrogado pela polícia, um interrogatório que é vividamente doloroso e humilhante para ler. Eventualmente, durante uma segunda entrevista, a polícia dizer a Lochan que Maya assinou um documento admitindo que a relação foi consensual. Este fato afunda Lochan ainda mais no desespero, especialmente depois de os investigadores lhe dizer que Maya pode ser colocada atrás das grades por dois anos por crime de incesto consensual com um parente do sexo masculino. De volta a sua cela, Lochan decide que a melhor solução é para ele cometer suicídio. Se ele se mata, Maya não terá qualquer razão para continuar a dizer a verdade.

Durante cinco últimas páginas de cortar o coração, Lochan pensa em uma maneira de se pendurar em algumas barras no canto da cela. Em seguida, ele faz isso.

Eu não posso transmitir como isso foi perturbador. Lochan de alguma forma não podia suportar a ideia de Maya passar dois anos na prisão?
Olha, eu entendo que o suicídio é (quase) sempre um ato irracional. Em última análise, o suicídio de Lochan é apresentado como um ato romântico, um sacrifício para salvar Maya e seus outros irmãos.
O final é bizarro. No epílogo, Maya planeja se matar. Ela deixa notas para seus irmãos mais novos, explicando que ela não pode mais continuar.

O livro termina assim:
Caminhamos pelo meio da rua de mãos dadas, a calçada estreita demais para os quatro juntos. Uma brisa quente sopra em nossos rostos, trazendo o cheiro de madressilva de um jardim. O sol de meio-dia brilha no céu turquesa, a luz cintilando entre as folhas, espalhando confete dourado sobre nós.
– Ei! – exclama Tiffin, sua voz surpresa. – Já é quase verão!

O filho mais velho parece ser, no mínimo, profundamente clinicamente deprimido. Dois irmãos desenvolvem uma ligação incestuosa, sem jamais reconhecer as razões do vínculo. O adolescente comete suicídio por nenhuma boa razão, deixando seus irmãos mais novos, incluindo aquela por quem ele estava apaixonado.


É um romance recomendado para todos os que apreciam uma boa tragédia romântica no estilo de Romeu e Julieta.

Ficha técnica da obra


Autor(a): Tabitha Suzuma
Título: Proibido
ISBN: 9788565859363
Páginas: 288
Edição:
Tipo de capa:                                              Brochura
Formato: Livro
Editora: Valentina                                             
















#Compartilhar
Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates