quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Skinheads, a força branca

Skinheads, a força branca







Um drama de Geoffrey Wright, Skinheads a força branca (Romper Stomper) abriu em cinemas australianos em 1992. O filme envolve skinheads, extrema violência e representações chocantes de decadência urbana.

Em um de seus primeiros grandes papéis no cinema (pelo qual ganhou um Prêmio AFI) Russell Crowe é fascinante como Hando, o líder de um grupo de violentos neonazistas.

Mais de duas décadas após seu lançamento, Skinheads a força branca ainda é um dos mais violentos filmes.

"Este não é o seu país", diz Hando durante a introdução violenta do Skinheads a força branca. Do ponto de vista das vítimas, observamos a gangue de Hando bater em um casal vietnamita.


Em certo sentido, Skinheads a força branca reside na forma como retrata uma parte da Austrália que sabemos ou o medo que existe, mas não quer ver. O crítico veterano, David Stratton, ficou tão abalado com o filme que ele se recusou a atribuir-lhe uma classificação por estrelas, essencialmente, dando-lhe zero. Wright se vingou dois anos mais tarde, derramando um copo de vinho em cima dele na estreia de um filme em Veneza.


O legado de Skinheads a força branca tomou um rumo perturbador na vida real em 2004, quando um prisioneiro britânico foi considerado culpado do assassinato que foi racialmente  motivado por seu companheiro de cela. Ele tinha visto o filme dois dias antes do abate e se comparou a Hando.


Gabe (Jacqueline McKenzie) é uma jovem vítima de abuso sexual. Ela se une a Hando, mas finalmente rejeita seu estilo de vida mercenário e deixa-o como seu companheiro Davey (Daniel Pollock).


Quando Hando lê para ela na cama o olhar inocente de Gabe é uma valorização de gestos românticos simples. O que ele está lendo não é exatamente o material de doce conversa de travesseiro: é Mein Kampf; e Hando está dizendo frases como "a luta da raça branca continua". Em outra ocasião, Hando mostra simpatia por um amigo e em um momento de aparente de bondade empresta-lhe dinheiro para comprar algo: uma autêntica faca da Juventude Nazista.


Essas cenas são indicativas misturam vislumbres de bondade e uma atmosfera de ódio.

Wright dirige “Skinheads a força branca” com uma energia estilística e corajoso. Música sobrepondo momentos de destrutividade são frequentes no filme.

No universo macabro do Skinheads a força branca, a justiça é servida a uma espécie que existe até agora fora dos limites morais razoáveis ​​.


Então há esse final. Wright estava sendo irônico? Sarcástico? Intrometendo-se em algum tipo de comédia de humor negro horrível de última hora?



#Compartilhar
Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates