quarta-feira, 3 de agosto de 2016

A lista de Schindler

A lista de Schindler









Drama épico de Steven Spielberg que conta a história convincente de Oskar Schindler (Neeson). Ele vem à Polônia, ocupada pelos nazistas, em busca de prosperidade econômica.

A SS tinha um monte de atiradores. Apenas para se divertir ou fazer apostas, os nazistas jogaram os bebês vivos para fora das janelas.

Pode ter havido um bom número de coisas que Spielberg não podia mostrar na Lista de Schlinder, por razões óbvias, como o fato de que nem ele nem sua audiência poderiam suportar ver as atrocidades.

O filme é em preto e branco, e não há qualquer exuberância óbvia. Este é o filme no qual Spielberg deixa de ser o artista supremo e tenta ter outro tipo de glória.



A desvantagem é que há um certo nivelamento de expressão que se pode fazer em três horas que parece um tempo muito longo no cinema.


Uma vez que tem sido chamado de uma obra-prima tantas vezes, pode parecer grosseiro dizer que Lista de Schindler tem algumas falhas.

Eu não posso dizer que ele me agarrou como deveria ter feito. Mas ainda é o melhor e mais difícil coisa que Spielberg alcançou.


Dito isto, não poderia ter havido outras maneiras de realizar a adaptação que conta a verdadeira história do empresário alemão que salvou mais de mil judeus dos campos de concentração. Poderiam fazer Oskar Schindler um herói mais imperfeito do que Liam Neeson, que o interpreta com grande dignidade e inteligência.

Poucos sabem sobre o Holocausto, a menos que vejam filmes como esse. Não muito tempo atrás, uma pesquisa feita nos Estados Unidos mostrou que um número substancial não sabia sobre os campos de concentração e um número pequeno sabia, mas não acreditava. Lista de Schindler é certamente um filme para eles.


O filme de Spielberg nos apresentar os horrores muitas vezes subestimados.

Schindler convence Goeth e seus chefes para não levar as crianças para longe de sua fábrica porque elas têm mãos pequenas o suficiente para polir o interior das conchas. Nesse trecho do filme, você compartilha o humor negro da situação, como você faz quando Schlinder conta a Goeth que às vezes não matar é mais divertido e dá-lhe mais poder do que matar, e o homem leva as suas palavras ao pé da letra.

O fim do filme que já não está em preto e branco, mostra os verdadeiros sobreviventes que prestam homenagem silenciosa a Schindler em seu túmulo simples em Israel. Há uma sequência quando um grupo de prisioneiros nus é levado para a "casa de banho", esperando a morte, mas de repente eles ficam muito felizes pelo fato de que água, e não de gás venenoso, cai do teto.

É, no entanto, na sua forma mais simples que o filme atinge os seus melhores momentos. Não tem sutileza chocante e irónica e nem tem horror poético.

Os judeus parecem vítimas muito passivas no filme.

Spielberg tenta exorcizar seus próprios demônios e, ao fazê-lo, alguns dos nossos.

Em última análise, o filme é memorável tanto para o testemunho simples como para a arte cinematográfica que ele exibe.

Alguns, é claro, saudarão o filme simplesmente porque ele está lá. Ainda assim, há um elemento de verdade no louvor a Lista de Schindler. Tudo, afinal, é relativo. Recomendo o filme a todos. Vale a pena assisti-lo.


#Compartilhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates